Páginas

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

pouca saúde e muita saúva, os males do brasil são...

.
.
daí vem alguém e diz que não tem mais trema em consequência, hífen em autoescola, acento agudo em ideia e nada de circunflexo em voo.
.
daí que eu vou à praia e levo macunaíma, de mário de andrade, pra reler e dou de cara com aquelas expressões todas, aquelas palavras cantadas, a ginga, a carta prás icamiabas. que coisa linda, não? e pra aumentar ainda mais minha paixão por tudo aquilo que eu lia, encontrei este trecho das correspondências de mário de andrade com manuel bandeira, no site do programa avançado de cultura contemporânea (pacc) da ufrj, que estão no ensaio 'heróis de nossa gente', originalmente parte da tese de mestrado de heloisa buarque de hollanda e foram também publicadas em vários outros livros, teses, estudos. um deles começa assim: 
.
"Quanto ao caso da Carta prás Icamiabas, tem aí um milhão de intensões. As intensões justificam a carta porém não provam que ela seja boa, é lógico e reconheço. Primeiro: Macunaíma como todo brasileiro que sabe um poucadinho, vira pedantíssimo. O maior pedantismo do brasileiro atual é o escrever português de lei: academia, Revista de Língua Portuguesa e outras revistas, Rui Barbosa, etc. desde Gonçalves Dias. Que ele não sabe bem a língua acentuei pelas confusões que faz (testículos da Bíblia por versículos etc. e o fundo sexual dele se acentua nas confusões testículos, buraco por orifício, etc.). Escreve pois pretensiosíssimo e irritante"
.
sabe aquela vontade de querer que o metrô demore só pra ter mais tempo de (re)ler um livro? então...
.
.
.

7 comentários:

Marcela Prado disse...

quanto ao pedantismo, eu só queria continuar escrevendo o mesmo português de sempre.

Eduardo Machado Santinon disse...

Márião colocou pra fuder nessa hein !

Lubi disse...

eu só queria continuar escrevendo o mesmo português de sempre. [2]

Beijão!

Juliana Cruz disse...

eu vou continuar escrevendo o mesmo português de sempre.

e, este ano, esqueci de levar meu livro...snif...

Camila disse...

Quando sinto essa vontade e o metrô não ajuda, sento na plataforma e fico lendo...

Quanto às regras gramaticais, a gente se acostuma com tudo nesse mundo...

Mayra Massuda disse...

Lucas,
dei mta risada qnd li o título do seu post.
Meus ensaios de teatro são exatamente na chácara Safiotti, onde o Mário escreveu Macunaíma... e como ele disse no livro.
Muita saúva... os males do Brasil são. Pq as saúvas são de matar msm!
Mário é demais, e Macunaíma é mágico.

É incrível como se torna tão atual, não?

*Ah...Odeio ortografia^^

Beijinhos...

Lubi disse...

nossa, AMEI o novo leiaute. tá lindo.

beijo.