Páginas

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

cursinho pré-vida


rio tejo, fevereiro de 2008

nunca fiz cursinho pré-vestibular porque nunca quis estudar numa universidade pública. hoje não penso mais assim, lógico, mas na época em que meus amigos se preparavam para entrar na usp, eu era influenciado a trabalhar, trabalhar, trabalhar, então fui fazer cursos técnicos (processamento de dados, administração, contabilidade). e com minha mentalidade voltada ao trabalho eu pensava que era idiotice atravessar a cidade de ônibus durante duas horas e meia para estudar na usp, enquanto eu podia estar na unicsul em 10 minutos. mas agora já foi e eu estava falando sobre cursinho.

falo disso porque estes dias fui trabalhar no sesi sorocaba, na gravação da peça 'o pássaro azul' e tem uma cena em que as personagens principais vão parar num lugar onde os bebês ficam antes de nascer, uma espécie de cursinho pré-vida. e fiquei imaginando se existisse mesmo algum curso que nos ensinasse a viver. seria bom? haveria menos problemas? cometeríamos menos erros? saberíamos escolher a profissão ideal, o relacionamento ideal, a casa ideal? escolheríamos o país ideal pra nascer?

aí percebo que tudo isso é bobagem. acredito que todo mundo é insatisfeito com alguma coisa, não é possível que alguém seja plenamente feliz e realizado o tempo todo. ou talvez seja, sei lá, mas nestes quase trinta anos de vida, ainda não conheci ninguém assim. por um lado, creio eu, esta insatisfação pode ser boa à medida que buscamos sempre mais. por outro, vira aquela coisa chata, reclamona, que ninguém aguenta e olha que eu sou o melhor exemplo disso, pois estou sempre insatisfeito com tudo.

e então fico pensando como teria sido melhor não ter ido àquela festa, não ter respondido aquela mensagem ou não ter conhecido aquela pessoa. como seria melhor ter se dedicado mais àquele projeto ou ter se mudado de vez para o outro país, ter juntado alguma grana... mas a realidade é esta, não há cursinho pré-vida. a gente vive, erra, acerta, sofre, aprende, ri e vai quebrando algumas regras básicas aprendidas na escola em que, na matemática dois mais dois não são quatro, na física dois corpos podem muito bem ocupar o mesmo lugar no espaço e na gramática, um ponto final pode ser apenas uma virgula,

ou vice-versa
.
.
.

13 comentários:

Juliana Cruz disse...

tbm nunca fiz cursinho ou questão de estudar em faculdade publica....deveria?

Lulleka disse...

Como eu nunca entrei no seu blog??????
O blog mais famoso da blogosfera!? Que desatenta!

Existe cursinho pra melhorar isso?

Bjoos Lu!

Voltarei aqui nos próximos posts!

mariana disse...

Adorei a reflexão Lu. Acho q todo mundo uma hora para e pensa pq naum fez isso ou aquilo. Mas no final das contas a conclusão é q não da pra voltar atrás, então não adianta se arrepender, só viver...hehe

bjs querido!

Ana disse...

Adivinhão!

Zeitgeist_Sylphide_Gamzatty disse...

O futuro do pretérito é um compasso de espera que tende a ser infinito. Infinitamente gostoso porque é ideal e na idéia não há contratempos.
O que ninguém ensina é encontrar a coragem para quebrar o compasso e malícia p/ viver nos contratempos.
Espero aprender com o tempo...

[ ]´s

Eduardo Machado Santinon disse...

A vida ideal é uma vida sem profissão. E sem cursinhos, e obrigação.

Ana... disse...

...é são mil coisas...a vida não é facil não...como diz minha tia

é igual rapadua, ora dura, ora doce!!!

hhhahahahhahahah...kkkkk

Cleyton Cabral disse...

Amei esse post.

.leticia santinon disse...

se pronuncia "téjo", lucas..."téjo"

sueli aduan disse...

que peninha, vc esteve na "minha ciade", e eu que sempre estou lá no sesi, nesse dia não,(acredito que teria te reconhecido).

adorei seu texto, muitooooo bom.
a Nelida Pinõn, diz que "um homem não pode voltar pra casa sem o pão e o conflito" ( não as tristezas)mas as insatisfações).
e, nos meus 54, tb não conheço ninguém satisfeito (acho ótimo).
abs

Hiago Rodrigues Reis de Queirós disse...

grande post esse!...

parabéns, Sr. Lucas, postou sabedoria agora: não temos ensaio para viver mesmo, e um problema seria ver a vida como um ensaio, como se esperássemos atuar "na cena" para qual tanto ensaiamos errando e errando". Sei lá... acho q sobreviver e conviver viver com os nossos erros já é um acerto.

bem feriado!

alguém aí pode me dizer o que é 7 de setembro mesmo?... tudo bem: vou tomar um café e lavar o rosto... rsrs fui!

Hiago Rodrigues Reis de Queirós disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Carolina disse...

Queria um cursinho pré-vida... o pré-vestibular eu levei meio de qualquer jeito pq tbm não fazia a menor questão de estudar na USP... e isso ainda não mudou.