Páginas

terça-feira, 30 de junho de 2009

:: wannabe ::


existem dois tipos de pessoas: as que são e as que querem ser, os quais chamaremos de wannabe - lê-se uanabí, do inglês want to be. tem o wannabe gótico (que vira fã do marylin manson só pra parecer mau, mas no fundo é apenas um deprimido mal-resolvido), wannabe cool (que aceita tudo numa boa para ser aceito), wannabe hype, wannabe indie, wannabe in, wannabe cult (aquele que decora nomes de autores e diretores e comenta, sem ter lido ou assistido nada) e por aí vai. wannabes são pessoas legais até certo ponto: quando ela passa a querer ser você e se torna wannabe YOU.

calma, não estou falando de pessoas que acham a outra legal ou que se espelham em alguém por algum motivo especial. os wannabe, pasmem, vão te sugar até o âmago, vão comprar o mesmo celular que o seu, vão freqüentar sua casa sem convite, vão copiar o modelo do seu blog, vão comprar aquela blusa daquela loja naquela rua com aquele vendedor que te vendeu, vão querer a pessoa que está com você...



só falo isso por dois motivos: primeiro porque tive uma experiência de alguém que, claramente, wannabe me. e depois, porque vez ou outra eu me sinto um wannabe alguma coisa ou wannabe alguém. aí penso: não somos todos nós um processo de construção dialético formado pela troca de experiências com o outro? sendo assim, todo mundo é um pouco wannabe...

"i wanna really really really wanna zig zig aaaah"

oremos.
.
.
.

9 comentários:

.leticia santinon disse...

I wannabe sedated.

Paulo Augusto disse...

nossa, i wanna be tanta coisa... mas acho que sempre fui sincero, sempre assumi, sempre quis ser de verdade. nunca quis citar um autor, mas já li livros pra poder falar dele... nunca quis citar um artista, mas já ouvi as músicas pra ter uma opinião. nunca quis ser ninguém, mas sempre admirei as pessoas.
acho que sou super wannabe... mas não sou tão mau assim.

Eduardo Araújo disse...

Ah, tá.

Juliana Cruz disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

ja entrei aqui rindo do texto, quando li o comentario da leticia, chorei. hahahahahha


I wannabe sedated.[2]

Cleyton disse...

wannabe-fear.

Rodrigo Artur disse...

"...um processo de contrução dialético de troca de experiências com outro."

Ahn?

Eu pensei que somos resultado do empirismo que é a vida.

Lubi disse...

vim aqui prestar meu testemunho de que é uma boxta quando alguém quer ser a gente.

FABI disse...

Oi, primeira visista ao seu blog e... adorei!

E descobri que nunca ninguém quis ser eu, a não ser q me plagearam sem me avisar..... e eu já quis ser tanta gente, mas nunca consegui copiar ninguém "a fundo" pq minha preguiça é maior que tudo nessa vida!

Camilla para os menos íntimos... disse...

eu ainda prismo pela minha criatividade inerente... mas já tive momentos wannabe que passaram rapidamente, me inspiro mas não copio e tenho dito.

amém.