Páginas

sexta-feira, 5 de junho de 2009

amorfobia [ou como fazer uma salada cinco-cores]




clipe de cibelle e devendra banhart

era uma sexta-feira fria quando desliguei a tevê, fui à quitanda comprar alface e dei de cara com o amor. ele era grande, forte e me deu medo, mas ignorei, enquanto apalpava e escolhia tomates.

o amor me seguiu e, como se não o visse, fingi procurar repolho. roxo e branco, exatamente como na receita da salada cinco-cores, anotada no verso de um papel velho de anúncio de pizza. faltava apenas a cenoura para completar os ingredientes e, depois de pegar sem critério as primeiras que vi na bancada, fui ao caixa.

o amor estava no guichê ao lado e assim que saí percebi que ele ainda me seguia.

[agora é só continuar a história por meio dos comentários e ver o que acontece com o amor. este texto eu escrevi para o blog ad tempus fugit, com o qual fui convidado a colaborar de vez em quando. lá a história é uma. aqui pode ser outra.]

.
.
.

13 comentários:

Van Porcino disse...

salada em uma sexta feira fria? façameumfavor...

vou recomeçar a história, então: "era uma sexta-feira fria quando desliguei a tevê, fui à quitanda comprar legumes e dei de cara..."
"...fingi procurar repolho. roxo e branco, exatamente como na receita da sopa cinco-cores..."

hmm, bem melhor... hehe

Cleyton disse...

Ele era roxo como o repolho e a pele macia como a do tomate. E se abria para mim como um alface verdinho.

Juliana Cruz disse...

...tamanha peculiaridade me deixou ainda mais assustado, mas algo dentro de mim dizia para não continuar a ignorá-lo...

Ana Guimarães disse...

E o medo que ele me metia, como um arremesso, transformava-se na coragem que eu precisava para parar de fingir que não o via.

Lê " ) disse...

Mano, eu curto sua imaginação, MUITO e a respeito do Amor, é claro que ele te seguiu, quebrou o gelo fazendo alguma gracinha que te fez sorrir eai você deu espaço pra ele ser em você simplesmente ele, simplesmente Amor , hhehehe
Aquele abraço Luquinhas!
" )

menina da lua* disse...

droga, não sei contar histórias...

Tatiana Lazzarotto disse...

onde parou?

ah sim...

o amor continuou a me seguir e o medo ficou para trás de repente. não nos alcançou.
quando o amor me beijou descobri o sabor de sua boca de caqui chocolate.

sueli aduan disse...

Oi Lucas, e vc não vai entrar na brincadeira? eu gostei muito do texto!!!

Denise disse...

Do outro lado da rua eu olhava legumes ,verduras,o amor e você ,um querendo o outro,mas não se decidindo ,talvez por conta das muitas opções que ainda existiam na outra banca cheia de frutas variadas.
Afinal o que são apenas legumes?

(affe que pirei ,sou pessima em contar história dos outros rs)

carinho
Denise

Ana disse...

mas continuo em passos largos fingindo q não me segue...olho para os lados disfarçando, sem querer o trabalho de tentar ou deixar este amor criar forças e raíz...
até que mudo de direção e percebo que no fim tudo é ilusão....então acordo e percebo foi só um sonho!!!
o amor nunca me quis...nunca me perseguiu...estava apenas sonhando achando que um dia ele me quis.

fim..

rs;piradona.

[denise abramo] disse...

daí que, se foi só um sonho, acordo e começo a perseguir o amor. pelas ruas e quitandas da cidade.

Dani Martins disse...

Desesperado, correndo, tropeçando e sonhando com o momento que colocaria as mãos sobre seu amor, saiu entre as barraquinhas, escorregou numa casca de banana e caído ali no chão, entre laranjas, jacas e frutas-do-conde disse que seu amor estava saindo pela culatra.

Anônimo disse...

...mas não saiu, o amor me pegou pela mão, ajudou-me a levantar e pegar os legumes que foram ao chao quando cai.
_ Você está bem? Perguntou-me o amor.




(muito legal, gosto desse exercicio de criatividade. Parabéns pelo blog)